A importância da amamentação para os prematuros

A importância da amamentação para os prematuros

A importância da amamentação para os prematuros é essencial para a vida de qualquer criança, mas para prematuros, este contato pode ser ainda mais efetivo. O leite materno nutre, auxilia no crescimento e desenvolvimento, além de facilitar a formação do vínculo entre mãe e bebê – um dos aspectos mais importantes para o recém-nascido prematuro.

A alimentação é feita de acordo com o peso, as condições clínicas e o grau de prematuridade. A Dra. Silvana Salgado Nader, Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) explica que quanto maior a idade do bebê, mais vigoroso ele será. Nestes casos, os bebês poderão mamar diretamente no seio materno, mas quando for muito prematuro, o inicio da alimentação será pela sonda gástrica. Fala-se também do uso do copinho, que é indicado quando a mãe não está presente no momento da mamada, ou quando o bebê cansa e não consegue extrair todo o leite que necessita.

De qualquer maneira, a doutora explica que o contato com a mãe deve ser realizado constantemente e o mais rápido possível e que os profissionais devem orientar a mãe a como tocar e conversar com a criança.

A frequência e quantidade de leite que o prematuro deve ingerir também variam de acordo com a condição clínica e física dele; pode ser oferecido a cada duas horas para os prematuros pequenos e a cada três horas para os maiores.

Além disso, a doutora também comenta sobre a importância do conhecimento dos benefícios da amamentação e do apoio familiar e dos profissionais que estão atendendo o prematuro. “A passagem da alimentação por sonda nem sempre é um processo fácil. Algumas mães demonstram insegurança em relação à qualidade e ao volume adequado de seu leite e ficam inseguras e desmotivadas para amamentar. Estes fatores dificultam o aleitamento materno dos prematuros internados em Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. A família pode influenciar sobremaneira na motivação e perseverança da mãe em amamentar seu filho prematuro”, finaliza.

 

Fonte: Dra. Silvana Salgado Nader, Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)