Amamentar e obesidade infantil

Amamentar e obesidade infantil

A obesidade, que já atinge 42 milhões de crianças com menos de 5 anos em todo o mundo, já é considerada uma epidemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo dados do Ministério da Saúde, no Brasil, a incidência de meninos de 5 a 9 anos acima do peso atinge a marca de 15%. Saiba mais sobre como amamentar evita a obesidade infantil.

Além da genética, os maus hábitos alimentares colaboram com esse quadro, que requer atenção desde cedo.  A boa notícia é que a amamentação pode auxiliar consideravelmente a evitar esse quadro, já que evita a ingestão precoce de alimentos industrializados e a introdução do açúcar na alimentação do bebê.

Até os seis meses de vida, os pediatras recomendam o aleitamento materno exclusivo, por livre demanda. Esqueça as lendas de que o seu leite é fraco ou de que o de vaca é mais nutritivo, fazendo a substituição. Dentre inúmeros benefícios, estudos apontam que os bebês alimentados apenas com leite materno têm menos chances de se tornarem obesos na adolescência e na vida adulta. “Como nascemos com a saciedade regulada, é muito difícil um bebê mamar mais do que precisa, a ponto de ganhar peso excessivo”, declara Renata Maria de Noronha, endocrinologista infantil do Hospital São Luiz (SP).

Fonte: Ministério da Saúde e Hospital São Luiz (SP).